PVDE

A Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE) foi a polícia política fascista instituída com a implantação do Estado Novo em Portugal, em 1933.

Uma das primeiras medidas adotadas pelo Estado Novo português foi a reestruturação do sistema policial e repressivo já existente. A criação da PVDE, órgão centralizado e atuante em todo o território nacional, é o resultado da fusão da Polícia Internacional Portuguesa e da Polícia de Defesa Política e Social, e expressa a evolução do regime fascista português que começa a se estabelecer com o golpe de Estado de 28 de maio de 1926.

Supostamente inspirada na Scotland Yard inglesa, a PVDE, na verdade, contou para a sua criação com a consultoria e auxílio dos fascistas italianos e da Gestapo alemã.

Apoiando-se num amplo serviço de inteligência, que contava com centenas de informantes, e na violência mais brutal (a tortura, por exemplo, era uma prática amplamente adotada pelos seus agentes), a PVDE foi a máquina de repressão que perseguiu, prendeu, interrogou, torturou e assassinou milhares de militantes de esquerda, dirigentes sindicais da cidade e do campo, artistas etc., durante o regime salazarista.

1945, com o fim da II Guerra Mundial e a derrota dos fascismos italiano e alemão, a PVDE seria rebatizada, passando a se chamar Polícia Internacional de Defesa do Estado (PIDE), mantendo, todavia, as mesmas funções repressivas dentro do regime salazarista.

PVDE
A PVDE foi a primeira polícia política do regime do Estado Novo Português e durou até a Segunda Guerra Mundial
Fundado em

1933

Tipo de Instituição

Policial

Resumo

Corporação foi reconfigurada e substituída pela PIDE em 1975